Cuidados que devem ser tomados com pele oleosa

Manter uma pele oleosa sempre matte e hidratada não é uma tarefa simples. A zona T (testa, nariz e queixo) costuma “brilhar” bastante, dando um aspecto de pele gordurosa.

Acontece que a pele elimina mínimas e constantes quantidades de gordura que, junto com o suor, formam uma película que cobre, lubrifica e protege as camadas da epiderme. Quando as glândulas sebáceas produzem mais sebo que o necessário, a pele torna-se gordurosa e brilhante, com poros dilatados. Algumas doenças podem estar associadas à pele oleosa como acne, rosácea, dermatite seborreica e hiperplasia sebácea.

A oleosidade da pele pode depender da constituição genética do indivíduo ou por desequilíbrios hormonais ocasionais. Existem outros fatores que contribuem com o aumento da oleosidade, como o uso de produtos inadequados, falta de limpeza, ambientes de trabalho quentes e mal ventilados, uso excessivo de maquiagens e cosméticos e uso de alguns medicamentos também podem contribuir para o aumento da oleosidade da pele. Além da produção em excesso do sebo, excesso de sol, má alimentação e até mesmo a mudança climática podem interferir no tipo de pele.

O estresse traz um hormônio associado a ele, o neuropeptídeo, que afeta diretamente na liberação de óleos na pele e pode ser considerada como uma causa potencial de problemas cutâneos, como pele excessivamente oleosa ou seca, inclusive causando o aparecimento da acne. No entanto, a relação com outros hormônios afeta ainda mais a pele, como no período menstrual, causando a presença de cravos e espinhas.

Meio ambiente: países e ambientes com altas temperaturas também contribuem para que a oleosidade da pele aumente.

Comportamento: o uso excessivo de maquiagens e cosméticos, alimentação e uso de alguns medicamentos também podem contribuir para o aumento da oleosidade da pele.

A pele oleosa pode ser o resultado da combinação dos fatores citados acima ou até mesmo ser causada por apenas um deles isoladamente. Independente de qual seja o seu caso, é importante saber as características desse tipo de pele.

Brilho excessivo: com uma superfície mais espessa e uma maior produção de sebo, a pele fica com um aspecto brilhoso.

Poros dilatados: os poros se abrem para que a secreção oleosa produzida pelas glândulas sebáceas seja eliminada pela superfície da pele.

Crises de acne: a produção exagerada de sebo também contribui para o aparecimento de espinhas, pois assim, a proliferação de bactérias é facilitada, o que causa a inflamação dos folículos.

Como manter a oleosidade sob controle?

O ideal é começar se preocupando em manter uma rotina de higienização, escolhendo produtos que mantenham a secreção sebácea controlada por possuírem, de preferência com ação calmante. Devemos considerar este tipo de pele como sendo frágil e utilizar produtos adequados que não retirem em excesso a gordura da superfície nem causem irritação. A tentativa de se retirar toda a gordura pode provocar um efeito rebote e estimular uma maior produção para a proteção da pele.

Mesmo tendo um brilho natural, a pele oleosa precisa de hidratação, já que essa é uma forma de melhorar a textura e a tolerância a outros medicamentos, como os ácidos. No caso dos hidratantes, é importante escolher aqueles com textura leve e não gordurosa.

Nem sempre existe relação entre cabelo oleoso e pele oleosa, existe a possibilidade, mas não é uma regra. Podem ocorrer de forma simultânea ou isolada, não precisam estar, necessariamente, relacionados. A oleosidade excessiva pode ocorrer devido a um desequilíbrio hormonal ou por características genéticas.

O sebo faz uma barreira de proteção sobre a pele, com isso ela perde menos água. Além disso, a gordura refrata os raios UV. Esses fatores contribuem para um aspecto menos envelhecido.

Use filtro solar adequado

É preciso usar um filtro solar adequado para o seu tipo de pele, pois o produto deve aderir bem à sua pele, além de conter substâncias que ajudam a controlar a oleosidade.

Limpeza correta

Quem tem a pele oleosa não precisa lavar o rosto várias vezes ao dia, mas, na verdade, usar sabonetes ou outros produtos que sejam específicos para o seu tipo de pele. O indicado é que a limpeza seja feita no máximo 3 vezes por dia. Além disso, o uso de sabonetes comuns pode aumentar a oleosidade da pele, pois a fricção estimula as glândulas sebáceas.

Fuja da água quente

Lavar o rosto com água quente também auxilia no processo de produção de sebo, assim como banhos quentes e muito demorados. Já a água fria, ajuda a reduzir a oleosidade.

Mantenha a franja limpa

A oleosidade do cabelo pode ser passada para a pele, por isso, caso você tenha franja, deve mantê-la sempre bem limpa ou até mesmo evitá-la.

Cuidado com a maquiagem

A maquiagem abafa a glândula sebácea, por isso, quando você usa produtos deste tipo no rosto, a produção de sebo aumenta. Quando for se maquiar, é preciso limpar bem a pele antes e após o seu uso.

Evite leite e derivados

O leite e seus derivados contribuem para a produção de óleo das glândulas sebáceas, por isso, é bom que sejam evitados por quem tem esse tipo de pele. Um exemplo é relacionar o consumo de chocolate com o aparecimento de espinhas, o que acontece com a versão ao leite e não com as que têm alto índice de cacau.

Controle a oleosidade

Conheça produtos que sejam ideais para o seu tipo de pele e siga os passos acima, assim, será possível ter uma pele mais saudável e com um aspecto mais sequinho.

Cuidar da pele oleosa não precisa ser uma tarefa muito difícil e, agora que você já conhece as características e como deve ser feito o tratamento com esse tipo de pele, o processo fica ainda mais fácil.